Arno Kunzler

UMA NAÇÃO INDIGNADA

Para quem já não acreditava mais que o povo brasileiro seria capaz de se insurgir contra os desmandos, essas manifestações são uma grata surpresa.

E não devem ser vistas pelo viés dos que aparecem para vandalizar, ter seu minuto em rede nacional.

Deve ser vista pelas multidões que vão silenciosamente externando sua INDIGNAÇÃO.

E não nos enganemos, essa multidão não encontra motivação para sair às ruas apenas pelo valor das passagens, mas contra o descaso e a má qualidade do transporte público…

O grito de indignação ecoa para todos os lados e a frase mais importante que se viu até agora deve ser aquela que chamou a atenção da presidenta Dilma: “Desculpe os transtornos, mas estamos mudando o Brasil”.

Quem fez isso merece uma homenagem pela gentil e eficaz colocação. É o grito contra tudo que estamos acostumados a ver, que chateia as pessoas, mas elas sentem que são impotentes para mudar.

É o grito contra as passagens, mas também contra o sistema que foi criado para gerir o transporte público. Poucos sabem quem ganha dinheiro com isso e como ganha.

É o grito contra os partidos políticos que vendem seus programas e seus ideários em troca de cargos, normalmente para acomodar desocupados e incompetentes…

É o grito contra um Judiciário que demora demais para julgar, especialmente os processos contra pessoas conhecidas e com algum poder político…

É o grito contra o Judiciário que prefere colocar na cadeia o ladrão de galinha ao corrupto que realmente representa uma ameaça à sociedade brasileira…

É o grito contra o julgamento dos mensaleiros que eram para estar na cadeia e onde estão? No Congresso fazendo leis, quase sempre articulando a seu favor!

É o grito contra um serviço público que não funciona como deveria, em todos os níveis…

Contra a má qualidade da educação e também contra os professores que fingem que dão aula e os alunos que fingem estudar…

Contra as universidades sucateadas pelo puro descaso dos governantes…

Contra os elevados e irracionais gastos com publicidade, às vezes com o objetivo único de diminuir as críticas…

Contra as filas nas rodovias para embarcar nossa produção agrícola…

Contra as greves de funcionários públicos que, ao exigir melhorias, penalizam os que querem produzir…

Contra os desembargadores que ganham mais de R$ 500 mil de salário…

Contra os monopólios que exploram a população com preços exorbitantes, muitas vezes com o aval dos governantes…

Contra as nomeações de políticos incompetentes para cargos públicos relevantes, cujo resultado é sempre o povo que paga…

Contra as filas intermináveis e a falta de perspectivas para uma saúde pública minimamente aceitável…

Contra os elevados custos com profissionais da saúde, que nem sempre cumprem sua jornada de trabalho…

Contra os que usam as notícias e seus veículos de comunicação para seus próprios interesses e não os interesses da coletividade…

Os que viajam pelo mundo usufruindo de todas as vantagens possíveis que os cargos lhes oferecem, gastando dinheiro público sem nenhuma preocupação com resultados…

Contra as estradas de má qualidade e pedágios caríssimos…

Contra as lombadas que incomodam diariamente os motoristas…

Contra os policiais que não cumprem a lei…

Contra os corruptores que, ao invés de pagar a multa, preferem dar um “jeitinho”…

Contra os abusivos gastos realizados para sediar a Copa do Mundo e as Olimpíadas…

Contra as obras superfaturadas de Norte a Sul, de Leste a Oeste…

Contra uma legislação partidária que não permite as disputas internas e saudáveis para promover novas lideranças (nem a Arena, partido da revolução era tão alienado aos deputados e governantes)…

Contra a falta de fiscalização nas eleições, quando os políticos usam e abusam do caixa dois e quando descobertos as punições chegam tarde e são brandas…

Contra a impunidade generalizada que é visível e perceptível por todos, mas que o Judiciário não consegue agir, ou por falta de leis ou por falta de estrutura…

Contra as aposentadorias milionárias de alguns e miseráveis da grande maioria dos brasileiros que de fato trabalharam…

Contra os juros exorbitantes que continuam explorando os que mais precisam de dinheiro emprestado para tocar sua atividade…

Contra as obras malfeitas e as milhares de obras inacabadas pelos governos de todos os níveis, sem que jamais alguém fosse devidamente e exemplarmente punido…

Contra os gastos excessivos de alguns políticos com diárias injustificáveis, sem nenhuma preocupação com a reação das pessoas…

Contra os conchavos políticos que reúnem no mesmo palanque Lula, José Sarney, Collor e Maluf…

Contra a reeleição dos governantes, cujos processos eleitorais chegam a ser vergonhosamente manipulados por estruturas de campanha disfarçadas e pagas com dinheiro público…

Contra a reeleição indefinida dos senadores, deputados e vereadores, que acabam frustrando qualquer perspectiva de renovação política…

É o grito de indignação daqueles que acham que tem muita coisa para mudar e perderam a esperança naqueles que estão lá para fazer isso.

Perderam a esperança de que os políticos tenham condições de se colocar a favor de mudanças realmente importantes que não sejam somente para atender seus próprios interesses ou daqueles a quem servem…

A voz das ruas faz eco em todo o Brasil e no mundo provocando reflexões das mais diversas.

Que não nos enganemos: esse povo não está nas ruas para diminuir cinco ou dez centavos na passagem de ônibus.

Quem acha isso pode cometer um grave erro de cálculo, pensando que baixar a passagem resolve o descontentamento de todos…

O que vai acontecer a partir de agora ninguém pode prever, mas certamente uma coisa está clara: o povo brasileiro está indignado com tudo que vê e percebe diariamente.

Se perdeu a confiança nos políticos e nos dirigentes das instituições, esse foi o jeito encontrado para extravasar o sentimento de revolta que habita no interior de cidadãos pacatos e ordeiros – alguns desordeiros se aproveitam da situação, mas a grande força desse movimento está na manifestação silenciosa…

É possível que depois de tudo isso alguns mudem e outros sejam mudados…

TOPO