Editorial

Caminho livre

Se tudo der certo, a partir dos próximos dias a população de Marechal Cândido Rondon não vai mais precisar dividir espaço com carretas, caminhões e outros veículos pesados no centro da cidade. Com a sinalização adequada já instalada e todo o caminho asfaltado, o Anel Viário finalmente vai cumprir sua função: desviar o tráfego desse tipo de veículo para tornar a cidade mais moderna, com um trânsito mais seguro e responsável.

Historicamente esses veículos causam problemas no centro da cidade. Em alguns pontos, fecham cruzamentos. Por serem muito largos e compridos, reduzem significativamente o espaço nas pistas de rolagem. A fumaça dos grandes motores a diesel também incomoda, especialmente pedestres e lojistas. Sem contar os caminhões com carga viva, notadamente os que transportam suínos, que emitem mau cheiro e causam mal-estar às pessoas que frequentam comércios e restaurantes.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

Os caminhões são fundamentais para transportar, da origem ao destino, quase todas as riquezas produzidas pelos brasileiros. São fundamentais para o abastecimento das cidades – vale lembrar dos transtornos ocorridos com a greve dos caminhoneiros em 2018. No entanto, precisam caminhos alternativos ao centro das cidades. Em grande parte dos municípios brasileiros isso já é realidade, mas em Marechal Cândido Rondon esse importante direcionamento tinha sido deixado de lado. As pessoas acabaram se acostumando à presença dos gigantes do transporte a seu lado.

Depois de mais de duas décadas, o Contorno Sul, mais conhecido como Anel Viário, finalmente vai readequar o uso das vias públicas, desafogando de certa forma o trânsito na área comercial, especialmente na Avenida Rio Grande do Sul, reduto comercial, e Rua Minas Gerais, onde a pista deixa claro o quão sofrido é suportar os pesos-pesados.

O Anel Viário é uma obra elementar, que deveria estar funcionando a muito tempo atrás. Mas, por algum motivo, Marechal Cândido Rondon patinou, chegou a frear. Mas para o bem geral de todos, sejam caminhoneiros, comerciantes, motoristas ou pedestres, a obra finalmente começará a ser utilizada. Está totalmente liberada para uso. É uma conquista que, apesar de tardia, precisa ser comemorada.

O momento agora é de conscientização dos motoristas profissionais para que usem adequadamente a via, para que usufruam desse investimento feito para eles, pensando em todos. O momento é também de orientação. Cabe à Polícia Militar, reguladora do trânsito rondonense, a fiscalização para o correto uso dessa conquista. Para todos aqueles que foram responsáveis pela obra, direta e indiretamente, para toda a população de Marechal Cândido Rondon, que contribui com seu trabalho e impostos, é hora de parabenizar.

Em meio a tantas notícias esquisitas e desastrosas, as pessoas devem também olhar e dar valor às boas iniciativas que acontecem no dia a dia, mas que são ofuscadas pela pandemia de Covid-19. Vamos em frente, pois agora o caminho está livre.

TOPO