Fale com a gente

Elio Migliorança

Nuremberg é aqui

Publicado

em

Durante os depoimentos na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, vários senadores fizeram referência ao julgamento pelo Tribunal de Nuremberg, comparação que para muitos caiu no vazio, pois a maioria não conhece o fato. Para entender o nó da questão, retornemos no tempo por 75 anos.

De 20 de novembro de 1945 a 1º de outubro de 1946, na cidade de Nuremberg, na Alemanha, uma Corte Internacional começou o processo para julgar os crimes cometidos pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Foram julgadas 185 pessoas, das quais 35 foram absolvidas. Esta cidade foi escolhida porque ali ocorreram as maiores manifestações de Hitler, podendo ser considerado o centro espiritual do Terceiro Reich. E o palácio onde se realizou o julgamento havia permanecido quase intacto após os bombardeios das forças aliadas, e nele havia espaço suficiente para manter os prisioneiros a serem julgados.

Durante o julgamento, vários acusados quiseram safar-se da responsabilidade, alegando que estavam obedecendo ordens superiores e, portanto, não eram responsáveis por seus atos e pelas consequências, mesmo que tivessem provocado a morte de milhares ou milhões de seres humanos. Chegamos ao ponto, elo com os depoimentos à CPI.

Vários depoentes que ocupam cargos públicos, alguns em cargos efetivos e outros com cargo político, quiseram justificar seus atos com a mesma alegação: ordem superior para fazer ou deixar de fazer algo, já que o crime pode ocorrer tanto por ação como por omissão. 

Chegamos a uma questão relevante, porque ela é estratégica em qualquer tempo no serviço público. É lícito, é correto e deve alguém obedecer a uma ordem superior mesmo quando ela contraria a lei? Deve o subordinado cumprir a ordem mesmo que isso coloque a vida de outros em risco?

E aqui podemos encontrar a resposta se voltarmos no tempo por 33 anos, quando estava sendo escrita a Constituição hoje em vigor. Até 1988, só algumas categorias do serviço público eram efetivos, ou seja, não podiam ser demitidos da sua função ou cargo. A nova Constituição estendeu esta estabilidade dos concursados para todas as categorias do funcionalismo público, justamente para evitar as demissões políticas que prejudicavam o serviço público. A cada eleição, o novo prefeito, governador ou presidente demitia os servidores e nomeava os seus companheiros e assim a cada quatro anos tudo começava de novo do ponto zero. Com a estabilidade, criou-se a carreira funcional e assim o funcionário que não pode ser demitido, pode e deve, sim, enfrentar e descumprir a ordem quando ela for ilegal ou colocar alguém em risco de morte.

Partindo do pressuposto de que “tanto é ladrão quem entra na horta como quem fica na porta”, alguém alegar que o subordinado agiu por conta, ou este eximir-se da responsabilidade porque a ordem veio de cima, não combina com nossa Constituição. Por isso a citação de Nuremberg não é descabida; estamos debatendo as mesmas alegações.

Se o prefeito nomeia o secretário, a lei entende que sendo um cargo de confiança, tudo o que o secretário faz é com o consentimento ou conhecimento do prefeito que o nomeou, portanto, ambos são responsáveis. Eis porque ao nomear alguém é preciso que seja realmente confiável ou pode-se pagar caro por isso.

 

O autor é empresário rural, professor aposentado e ex-prefeito de Nova Santa Rosa

miglioranza@opcaonet.com.br

 

 

Continue Lendo

Facebook